9 de jul de 2015

Espaço Democrático: Prefeita Antonieta defende a investigação pela Policia Federal e outros órgãos de fiscalização

A Chefe do Executivo, Maria Antonieta de Brito esteve nesta terça-feira (3), no plenário da Câmara Municipal de Guarujá para falar à comissão processante e demonstrar que em nenhum momento houve omissão ou falta de fiscalização, por parte do governo municipal, em relação ao controle e ao cuidado dos gêneros alimentícios da merenda escolar do município — merenda que foi premiada e que esta de acordo com as exigências do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE.

“O que está acontecendo aqui é uma perseguição política. Apresentei as atas e provas e nem mesmo o documento do processo foi lido e utilizado. Não há elementos que justifique uma comissão de cassação a prefeita”, rechaçou a prefeita.

Antonieta solicitou que fossem efetuadas provas pericias, isto porque, determinados questionamentos como valor nutricional, quantidade, qualidade e preço somente podem ser aferidos por profissionais especializados, dada a complexidade dos elementos envolvidos. Essa amostragem foi realizada pelos próprios vereadores. Até o momento o que se tem é apenas uma avaliação política sobre o assunto. Não há no processo nenhuma informação técnica.

Um dia após a participação da prefeita, a comissão informou que a Policia Federal abriu inquérito para acompanhar as denuncias. Antonieta teve as contas de sua gestão aprovadas e não tem receio de ser submetida a apreciação de qualquer órgão.

“Estou muito tranquila e é meu desejo que a Policia Federal, o Tribunal de Contas da União e demais órgãos de fiscalização e controle confiram a farsa que está sendo armada na Cidade. Eu solicitei laudo pericial à comissão e me foi negado, e é preciso gente especializada para avaliar o que estamos apresentando por meio das atas e provas documentais e não pessoas baseadas em discurso político. Isso tudo é para tirar o mérito. A denunciante é membro do conselho e foi omissa em vários apontamentos do Tribunal de contas, em relação a 2007 e 2008. Nesse período nunca foi tomado nenhuma providencia”, disse a prefeita.

Itens – Antonieta falou sobre os problemas pontuais encontrados nas escolas, como os congestionamentos nas estradas, que dificultaram algumas entregas; assim como os roubos de cargas que vinham para as escolas, comprovados com boletins de ocorrência, além da ampliação do numero de pontos — até 2012 eram distribuídos os gêneros em 36 unidades estaduais, a partir de 2013 passou para 126 pontos incluindo as unidades municipais, estaduais e conveniadas — mas sem que ocorresse desabastecimentos em qualquer unidade.

Todos questionamentos foram respondidos pela Secretaria de Educação em reunião do Conselho de Alimentação Escolar, realizado em 8 de agosto de 2014. Conforme a ata apresentada pela prefeita e contida nos autos do processo, esses problemas pontuais foram solucionados e algumas duvidas são esclarecidas no próprio tramite e exigências do processo licitatório.  Além disso, a Chefe do Executivo afirmou que a fiscalização é rotina desde que o alimento chega na escola e é recebido,a gestão da unidade tem a autonomia para receber e rejeitar.

“Outra situação que é necessário elucidar que nas visitas realizadas pelo Ministério Público e conselheiros tutelares, apenas uma unidade estava fora da anormalidade, onde havia uma caixa de laranja no chão e não no gradil, um problema pontual de gestão e que não pode ser motivo de cassar um prefeito. Nós não temos denuncias de pais de alunos que seus filhos sofreram falta de alimentação, ou que deixamos de fazer nossa parte”, disse Antonieta.

A prefeita finalizou defendendo a equipe da Secretaria de Educação e ressaltou que uma Pasta com desempenho reconhecido em diversos âmbitos não cometeria o erro de colocar em risco a distribuição, qualidade e valor nutricional da merenda.

“A realidade do nosso município é infelizmente muito difícil, algumas crianças têm essa como sua única refeição diária. Nunca fomos omissos, temos responsabilidades e temos comprometimento. Esse é um governo que em sete anos não teve nenhum escândalos de mensalinho, corrupção ou ‘coisas’ qualquer natureza, mas que resgatou a credibilidade do Município. Há algumas pessoas que querem que esta realidade volte, mas há muitas pessoas que junto conosco querem um Guarujá melhor, declara a prefeita.

2 de mai de 2015

21 de mar de 2015

Exposição de Orquídeas no Guarujá - 21/22-03-2015

Termina amanhã, domingo (22/03/2015) a Exposição de Orquídias, promovovida pela Associação dos Oquidófilos de Guarujá, com a presença de cultivadores de várias cidades do Estado, Jaguariúna, Santo André, Cubatão, Mogi das Cruzes, Biritiba Mirim, Bertioga. Vale a visita. 


13 de mar de 2014

Ecoponto, vamos copiar essa idéia ?

Facebook



Ontem (12), no bairro Divinéia, foi inaugurado o sexto Ecoponto de São Bernardo do Campo. O espaço poderá receber entulho de obras e resíduos volumosos, além de materiais recicláveis. A cidade já conta com Ecopontos no Rudge Ramos, Parque dos Pássaros, Dos Casa, Montanhão e Batistini. #equipe
Ontem (12), no bairro Divinéia, foi inaugurado o sexto Ecoponto de São Bernardo do Campo. O espaço poderá receber entulho de obras e resíduos volumosos, além de materiais recicláveis. A cidade já conta com Ecopontos no Rudge Ramos, Parque dos Pássaros, Dos Casa, Montanhão e Batistini. ‪#‎equipe‬

Semana Cultural Caiçara

O evento propõe o resgate cultural das tradições do povo caiçara. 


A  “I Semana da Cultura Caiçara de Santos” é apoiada pelo SESC.
Ontem (12/03) na Fortaleza da Barra, com o apoio e logística da Secretária de Cultura da Prefeitura de Guarujá, houve debate sobre o tema “A Identidade Caiçara na Contemporaneidade”, com a presença de Antonio Carlos Diegues  da USP.

Vista Aérea da Fortaleza (03/2014 - foto Caio Borges)


Pesqueiros apoitados no Rio Perequê - Guarujá




Debate na Fortaleza da Barra - Guarujá
(no primeiro plano, o Prof. Antonio Diegues)

10 de nov de 2013

Guarujá pretende transformar Fortaleza da Barra em museu

sábado, 26 de outubro de 2013

Diego Corumba  UNISANTA


Sol, praia e turismo são a marca registrada de Guarujá. Porém, o município que foi explorado pela primeira vez por dois viajantes portugueses em 22 de janeiro de 1502, guarda muitas marcas além dos cartões postais.

Quando os exploradores chegaram à Praia Santa Cruz dos Navegantes, onde existe hoje a Fortaleza da Barra Grande, nunca imaginariam que um dia aquele local abrigaria toda a história de um povo e as lutas que enfrentaram para construir um distrito que, há 79 anos, se transformou em cidade. O local pode se tornar o primeiro Museu Histórico do município, no segundo semestre de 2014.

A diretora de Patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico e Cultural de Guarujá, Patrícia Regina Gomes de Lima, conta que as atividades que acontecem hoje na fortaleza são somente o início do que realmente desejam implantar na cidade. 

"Fizemos uma programação nova como a 
Primavera na Fortaleza, que incluiu atividades pedagógicas pra fomentar a visitação e, consequentemente, conservação daquele patrimônio. Em paralelo, temos um projeto novo de iluminação, a troca da estrutura elétrica e hidráulica, para conseguirmos modernizar e atender as demandas atuais para visitação de museu". 

A Primavera na Fortaleza reuniu 1.500 alunos da escola municipal, além de contar com o apoio dos próprios moradores do Bairro Santa Cruz dos Navegantes. "O patrimônio é para todos, tanto para o morador quanto para o turista, é a referência de uma identidade nossa. A comunidade tem que se envolver, identificar aquilo como patrimônio, como um retrato que conta a história dela. Tudo que você se identifica acaba criando um vínculo afetivo e emocional, e acaba zelando por aquilo." 

Além da Fortaleza da Barra Grande, a diretora Patrícia Regina também incluiu outras locações como futuros acervos histórico-culturais do município, como a Fortaleza Vera Cruz (mais conhecido como Forte Itapema), onde planeja criar a Casa de Cultura, o Forte de São Felipe, que terá o mesmo destino que a Fortaleza e se tornará um parque arqueológico e trará memórias de Guarujá no período colonial e uma galeria de arte no Teatro Procópio Ferreira, para manter exposições permanentes da cidade e trazer itinerantes de todo o Brasil. 

Para Patrícia Regina, o planejamento deve exigir tempo e a permanência das atividades já implantadas. Há visitas de escolas agendadas até 2014. "Já mudamos a forma como a população vê a Fortaleza. Ano que vem temos de consolidar, pois não é uma ação imediata: é uma ação em longo prazo que tem de permanecer, todo ano estar fomentando a visitação para esses patrimônios continuarem existindo em nossa cidade".

A diretora é cautelosa no sentido de evitar que os museus se transformem, a longo prazo, em "depósitos na cidade". "Temos muita cautela em estudar o que é possível. Hoje vemos o que é possível, a Fortaleza foi, entendemos como gerir aquele lugar, como é o retorno da comunidade, do turista, já há um plano que garante a preservação do Museu. E cada trabalho que desenvolvemos há possibilidade de conseguir montar outros espaços". 

A secretária de Cultura de Guarujá, Mariângela Duarte, ressaltou a importância da criação do aprendizado histórico do município. "Estamos ensinando uma nova geração de crianças que elas podem ter orgulho da beleza do Guarujá, da história da cidade. A obra, deste modo, se torna permanente".

Além da preservação dos bens tombados, a equipe também está mapeando todos o patrimônio histórico da cidade. A proposta é criar um banco de dados, com fotos e informações sobre monumentos e locais. A intenção, após o mapeamento, é construir um acervo de Pesquisa Histórica, Arqueológica e de Objetos de Cotidiano, para contar mais sobre os antepassados. 

Legislação– Segundo a Diretora de Patrimônio Histórico, muitos dos bens que fariam parte deste acervo hoje se encontram em residências particulares. "Muitas pessoas compravam na época itens que pertenciam à famílias mais miseráveis e, o que podia estar guardado num museu, sendo tratado propriamente, hoje está sendo mantido em casa de populares sem o reconhecimento do valor que tem para a cidade. A Fortaleza da Barra tem 32 canhões, alguns já retornaram, mas outros que estão desaparecidos vamos retomar por intermédio da Justiça como Patrimônio Histórico da cidade". 

Arqueólogos- A Diretoria de Patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico e Cultural de Guarujá foi criada apenas em março de 2013. E equipe conta atualmente com a diretora, Patrícia Regina Gomes de Lima e com três estagiários, e apenas um deles cursando História. "Eu preciso de um museólogo, de um arqueólogo, mas isso eu não posso contratar, apenas terceirizar. Não consigo, agora, colocar dentro do organograma da Secretaria", conta Patrícia.
 
 
Matéria pinçada do site da UNISANTA/On Line > http://www.online.unisanta.br/2013/10-26/colabora-2.htm

17 de nov de 2011

Reciclagem agora rende desconto na conta de luz no Guarujá.

 A  população de Guarujá tem à disposição, desde esta quarta-feira, postos fixos para a troca de materiais recicláveis por descontos na conta de energia elétrica. O projeto, denominado Recicla Elektro, foi lançado pela companhia em duas comunidades da Cidade no último final de semana. Entretanto, segundo a concessionária, a ação não gerou resultados ainda porque o objetivo foi chamar a atenção das pessoas para participar.

Feito isso, a partir de agora quem quiser fazer a troca pode se dirigir a estes locais diariamente: Cooperativa Cooperben (Praça da Saudade, Bairro São Miguel) e estacionamento da Igreja da Vila Zilda (Rua Lídio Martins Correia, nº 20). O funcionamento vai das 10 às 18 horas durante a semana e das 10 às 14 horas aos sábados.


Guarujá é a primeira cidade do Estado a contar com o projeto. Para participar, todo cliente residencial da Elektro na Cidade deverá se cadastrar levando uma conta de luz até um dos EcoPontos. No local será fornecido um cartão e um folheto contendo informações dos resíduos aceitos.

Após o cadastro, o cliente poderá levar os resíduos pré-separados por tipo até o ponto de coleta de sua preferência. Utilizando uma máquina, como as de cartão de crédito, e um sistema on-line, os resíduos serão pesados e o valor em bônus será creditado automaticamente na próxima conta.

Ao todo serão 10 postos de coleta, sendo nove fixos e um volante para coletas periódicas em comunidades carentes.

Mais de 50 comunidades serão beneficiadas em Guarujá. O projeto não atende pessoas jurídicas (empresas) e nem condomínios que funcionam como empresas (os particulares, por exemplo).

Os materiais aceitos pela campanha são: papel e papelão, garrafas PET, latinhas de alumínio, embalagens tipo longa vida, recipientes de vidro, ferros, arames, pregos, plásticos e óleo de cozinha

Postado por Katytasv no Blogueiros Progressistas da Baixada Santista em 11/16/2011 07:28:00 PM

27 de set de 2011

A Secretaria Municipa do Meio Ambiente de Guarujá, fez esse informativo sobre Arborização Urbana :

 

Prefeitura Municipal de Guarujá

ESTADO DE SÃO PAULO

               

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

Guarujá, setembro  de 2011

 

 

        Tendo em vista o grande número de depredações à Arborização Urbana no Município , e sabendo da obrigação tanto da municipalidade quanto dos munícipes,  na preservação do meio ambiente, de acordo com a Constituição Federal, Art 225,   vimos por meio desta transmitir informações a respeito de procedimentos básicos para a manutenção de espécimes arbóreas que se encontram no passeio.

 

 

l                                                Objetivo da Arborização Urbana: É promover a melhoria da qualidade de vida, quanto proporciona sombreamento, evita enchentes, combate efeito estufa, promove corredores florestais dentro da área urbana, entre outros. Portanto, através de diretrizes da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana ( SBAU ), sua principal função das árvores urbanas  é promover SOMBREAMENTO. Por esta razão as espécies a serem plantas de agora em diante, devem ter características que venham a atender ao papel ambiental desejado. Sendo assim, tornam- se indesejável o uso de especies de pequeno porte e arbustivas nas cidades.

 

l                                                Planto de Arborização: Ao darmos inicio aos Trabalhos nesse setor nos deparamos com um diagnostico bastante diverso do que deve ser arborização, hoje com árvores inadequadas, em locais inadequados, causando diversos conflitos com outros serviços públicos.

Para corrigirmos tais falhas, demos inicio na Secretaria do Meio Ambiente de um Plano de Arborização que satisfaça índices de sombreamento ditados pela comunidade cientifica, a ser atingido no espaço de tempo provável de dez anos. Tal planto consiste inicialmente na aprovação de Legislação Municipal que norteará  a atividade, inclusive com previsão de punições. Ao mesmo tempo daremos inicio a um inventário arbóreo, que após concluído nos dará subsídios para o planejamento correto no município.

 

l                                                Podas em áreas publicas: Só podem ser feitas pela

Prefeitura e devem ser solicitadas à Secretaria de Meio Ambiente- SEMAM, segundo Código de Posturas do Município Art 44. Oportuno lembrar que se trata de um trabalho de alto risco e portanto, Zeladores e Funcionários de condomínios não estão aptos a desenvolve- lo.

 

l                                                Podas em áreas particulares: Devem ser feitas pelo ser proprietário, com a autorização da Semam.

 

 

l                                                Plantio em espaços público: O interessado deve solicitar informações junto a Semam quanto a espécie, porte, dimensões de canteiro, entre outros.

 

 

l                                                Abertura de Canteiros:  Devem ser proporcionais à espécie a ser plantada ou já existente, sendo de pelo menos 0,80 cm X 1,0m, sem muretas. Este cuidado evitará que a planta estenda suas raízes para busca de fonte hídrica o que contribuirá para evitar danos ao calçamento, muros, guias e asfaltos.

 

 

l                                                Espécies indesejadas: Com alto indicie de tombamento o ( Ficus–Ficus benjamina ); com presença de espinhos; com frutos grandes; com substâncias toxicas; todas as Palmeiras e Coqueiros, pois não promovem sombra e não toleram podas.

 

 

l                                                Pintura de tronco: Provoca danos nas árvores, portanto não deve ser praticada em hipótese alguma. Tal pratica  se enquadra na Lei  Crime Ambiental, com penalidades previstas na Lei 9605/98, em seu Art. 49.

 

 

l                                                Retirada em áreas publicas : A Secretaria de Meio Ambiente, promove a retirada de árvores em casos específicos, quando forem detectados riscos de queda e/ou comprometimento da rede de água e esgotos. Munícipes ou municipalidade devem colaborar na substituição das mesmas, em função da necessidade de ampliarmos o numero de árvore existentes. Só podem ser feitas pela Prefeitura e devem ser solicitadas à Secretaria de Meio Ambiente- SEMAM, segundo Código de Posturas do Município Art 44

 

l                                                Retiradas em áreas particulares: apenas com vistoria e autorização da Semam, já que as árvores nativas estão protegidas por Legislação Ambiental.

 

l                                                Cuidados: Os Condomínios podem colaborar no que tange a irrigação, evitando maus tratos e denunciando agressões.

 

 

l                                                Árvores na Rede Elétrica:  As Empresas de Fornecimento de Energia Elétrica fazem  monitoramento constante de suas redes e, no caso de risco, as podas são feitas pela própria empresa de maneira emergencial

l                                                Bombeiros: A equipe de Bombeiros auxiliam a municipalidade no que diz respeito ao corte de árvores iminentemente em risco de queda, quer em passeios públicos ou interior de propriedades.

 

l                                                Legislações utilizadas: Como ainda não dispomos de Legislação  Municipal, fazemos uso da Legislação Federal de Proteção Ambiental ( Lei 9.605/98) e Código de Posturas Municipal ( art. 44º).

 

l                                                Metas: O Município precisa plantar de 80 a 100 mil árvores nos passeios públicos, para atingir os índices de sombreamento recomendados pela Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Portanto, as supressões devem ser evitadas sempre que possível.

 

29 de ago de 2011

20 de ago de 2011

Em São Bernardo, zerar déficit habitacional está longe - Jornal Repórter Diário

Matéria originalmente publicada no REPORTER DIÁRIO ONLINE (v. link ao final)
Em São Bernardo, zerar déficit habitacional está longe - Jornal Repórter Diário

Foto: Marciel Peres

São Bernardo tem grande destaque no mercado formal de moradia na região metropolitana de São Paulo. Só no primeiro semestre de 2011, abocanhou 47% dos lançamentos no ABC. No entanto, a irregularidade urbanística e fundiária ainda é problema de parcela considerável no município. Ao todo, 69 mil famílias moram de forma inadequada na cidade, que precisa construir mais 38 mil novas unidades habitacionais para suprir todo o déficit quantitativo.

Tássia Regino, secretária de Habitação, afirma que a meta é eliminar até 2025 o déficit de inadequação e de regularização fundiária nas áreas onde não são necessárias grandes obras, além de solucionar 80% do déficit total. “Temos investimento de R$ 1 bilhão, mas para alcançarmos a meta precisaríamos de pelo menos R$ 4 bilhões”, afirma.


Em fase inicial, as obras da segunda e terceira etapa do projeto de urbanização e saneamento integrado do Parque São Bernardo, Alto da Bela Vista e Novo Parque vão resultar em 778 novas habitações e beneficiar 2,5 mil famílias. São 1.763 famílias que receberão obras de urbanização e infraestrutura e mais 582 famílias com regularização urbanística e fundiária das suas unidades. “Com isto, será reduzida a inadequação habitacional, ou seja, o déficit qualitativo do município”, acredita.
As habitações populares estão entre os programas prioritários do PLHIS (Plano Local de Habitação de Interesse Social) e contam com recursos do PAC 1 (Programa de Aceleração do Crescimento). De acordo com Tássia, até 2013 estão previstas 5,2 mil novas unidades. Já no programa de Regularização Fundiária de Assentamentos Consolidados e Conjuntos Irregulares são 6,3 mil unidades em andamento em 28 diferentes áreas do município.

Áreas de risco
São Bernardo também investe no monitoramento de 63 áreas de risco. No início de julho, assinou termo de cooperação técnica com a Prefeitura de São Paulo para adoção do Habisp (Sistema de Informação para a Habitação Social).

O sistema reúne informações que auxiliam na tomada de decisão ágil. “Além disso, por meio do Programa Municipal de Redução de Risco e Ações Emergenciais fazemos o monitoramento contínuo das áreas de risco mapeadas pelo Plano Municipal de Redução de Risco para evitar novas ocupações em áreas de risco”, afirma. (Colaborou Carolina Neves)

Leia + Reporter Diário Online


2 de ago de 2011

Aviso aos queridos leitores.

Os editores deste blog gostam que seus  leitores façam comentários, que sempre serão publicados, mesmo que contrariem nossas  opiniões.
No entanto, xingamentos, agressões e denúncias anônimas, não serão publicadas

13 de jun de 2011

Tomara que não fique só na maquete !

Governo de SP planeja túnel entre Santos e Guarujá - Yahoo! Notícias
O governo do Estado de São Paulo vai apresentar no mês que vem uma nova proposta para a ligação seca entre as cidades litorâneas de Santos e Guarujá. A aposta agora é em um modelo de túnel pré-moldado para substituir a travessia de balsas na entrada do porto - onde as filas de veículos são um tormento para moradores e turistas.

O projeto ainda é conhecido por poucas pessoas - os estudos devem ficar prontos neste mês. A estimativa é de que a obra custe em torno de R$ 1 bilhão. “Pretendemos apresentar um projeto ao governador. Mas estamos analisando pelo menos 12 alternativas”, disse o secretário de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido.


5 de jun de 2011

Inauguração da Rampa Tejereba no Guarujá - 1982

       Foto by Aliomar


A rampa foi inaugurada em 1982, situada no Morro do Tejereba ( conhecido como morro das antenas), tendo seu acesso pela av. Tancredo Neves, Cachoerinha. Foi construída em tábuas de ipê, e à época era tida como a rampa de melhor construção no Brasil. Infelizmente, devido a ocorrência de assaltos aos voadores, acompanhantes e visitantes, permaneceu em desuso por muitos anos. Seu madeiramente foi retirado, dela restando só os antigos alicerces de concreto.
No dia da inauguração, o voador Silvio Matos, fez o primeiro vôo e homenageou o prefeito Jaime Dayge, grande entusiasta do esporte.
Posted by Picasa

12 de mar de 2011

Os quiosques da orla do Rio - Um dia teremos isso no Guarujá ?

4 de mar de 2011

Em SP, ponte entre Santos e Guarujá tem novo projeto

Do blogueiro: Agora nos parece que tem gente séria pensando no projeto. A ponte (cuja maquete foi inaugurada pelo candidato Serra) estaida, não comportaria o trânsito de caminhões, o que a inviabilizaria operacionalmente. Esse novo projeto contempla o bom senso. A ponte ora planejada viabilizará o transporte de carga da margem direita do porto à margem esquerda. Não poderá ser chamada ponte Santos - Guarujá, uma vez que ligará a entrada de Santos à sua parte continental, ao lado da Ilha de Barnabé, com acesso pela Piaçaguera. Em breve postaremos o mapa para melhor entendimento.
A notícia veiculada no Estadão em 04/03/2011
AE - Agência Estado

Uma ponte de 4.580 metros, saindo da margem direita da Via Anchieta, passando pelo cais no bairro do Saboó (em Santos) e chegando à Rodovia Cônego Domenico Rangoni (a Piaçaguera-Guarujá), pela Ilha Barnabé. É com essa proposta, feita pela Ecovias e já aprovada pela Companhia Docas, que o governo Geraldo Alckmin trabalha para fazer uma nova ligação entre Santos e Guarujá.

A proposta prevê ainda pedágio na ponte, apesar de seus custos não serem bancados pelo Estado. A Ecovias se propõe a bancar a construção, com valor estimado hoje em R$ 1,2 bilhão. Em troca, obteria a prorrogação da concessão do Sistema Anchieta-Imigrantes em 15 anos, até 2033, conforme apurou o jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com a empresa, a obra poderá ser concluída em um prazo de dois a três anos.

Por enquanto, descarta-se o projeto anterior lançado pelo governador José Serra (PSDB), há um ano, na pré-campanha eleitoral. A ponte também não será estaiada, como se previa anteriormente, para não atrapalhar o acesso ao Aeroporto do Guarujá, que deverá ganhar novas dimensões com a exploração das jazidas de petróleo do pré-sal.

Leia + no Estadão: Em SP, ponte entre Santos e Guarujá tem novo projeto - geral - Estadao.com.br